Luislisbello

Doce Deleite

Textos


A Morte da Ilusão

No meu vasto cemitério das ilusões,
Você é a flor que mais quero,
Que rego diariamente,
Com lágrimas de alegria.

Ainda leio em teus lábios,
A terna expressão "eu te amo",
Por ti gentilmente atirada,
Daquele portão de embarque.

Você se foi, a ilusão ficou,
Lutou obstinadamente contra a razão,
Até que jaziu em dor num canto.
A ela dedico minha lagrima e o meu canto.

 
Luís Lisbello
Enviado por Luís Lisbello em 06/11/2019
Alterado em 06/11/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras